Economia
23/06/2015 08:53:50, escrita por SERRANOSSA

Exportações de móveis registram mais uma retração

As exportações do setor moveleiro nacional tiveram, em maio, nova queda na comparação com o ano passado. Com pouco mais de US$ 250 milhões embarcados nos primeiros cinco meses de 2015, a retração é de 7,4% em relação aos US$ 270 milhões de 2014. O Rio Grande do Sul também registrou a mesma situação, com as vendas para o exterior caindo 5,4%, atingindo US$ 77 milhões, abaixo dos US$ 81,6 milhões do ano anterior.

Os maiores importadores do mobiliário brasileiro seguem sendo Estados Unidos, Reino Unido e Argentina. Os americanos têm comprado mais em 2015, atingindo em maio US$ 51 milhões, 21% a mais que no ano passado. As compras do Reino Unido apresentaram estabilidade, com oscilação positiva de 1,4%. Já os argentinos compraram menos no 5º mês, chegando a US$ 28,7 milhões, 27% abaixo de 2014. O país que mais aumentou o volume percentual de importações foi Cuba, e atingindo o montante de US$ 4,25 milhões (102%). Logo em seguida, com importações de móveis 55% mais altas, vem o México, com US$ 3,2 milhões. Houve redução em oito dos 14 países monitorados, com quedas expressivas registradas nas vendas para Angola (-73%), França (-32%) e Venezuela (-29%).

As exportações gaúchas tiveram como principais destinos o Reino Unido, com US$ 11,7 milhões, Peru, com US$ 10,5 milhões, e Estados Unidos, com US$ 9,3 milhões. Deles, apenas os americanos compraram mais que no ano passado, aumentando as importações em 28%. Reino Unido comprou 4,6% menos e Peru -1%. Cuba mais que dobrou suas importações no período, chegando aos US$ 3,8 milhões.

Os dados foram divulgados no relatório de exportação contabilizado pela Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Movergs), em conjunto com o Centro Gestor de Inovação (CGI Moveleiro) e a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

 

Informações: Exata Comunicação

É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Siga o SERRANOSSA!

Twitter: @SERRANOSSA

Facebook: Grupo SERRANOSSA

O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA