Geral
10/06/2017 08:10:48

Alunos traçam estratégias para turismo sustentável

O turismo é um importante segmento da economia de Bento Gonçalves e uma área que, apesar do crescimento, ainda tem potencial para progredir. Projetos que pensaram a criação de ações para fomentar o turismo na área central da cidade, com envolvimento de moradores e atrações para diferentes públicos, renderam aos estudantes do Colégio Marista Aparecida oito prêmios na edição deste ano do Festival Marista de Robótica, realizado nos dias 21 e 22 de setembro, na PUCRS, em Porto Alegre. Com a temática “Turismo Sustentável para o Desenvolvimento” – proposta pela Unesco –, cerca de 70 estudantes e educadores do município estiveram no evento, que incentivava a pensar soluções para a realidade local. 

A Robótica Educacional aliada à pesquisa no contexto do festival proporciona a construção de projetos que visam à resolução de problemas do cotidiano.  A sustentabilidade proposta pela temática, conforme explica o assistente de tecnologias educacionais e professor de Robótica Maurício Baggio, não se referia apenas a questões ambientais, mas também em propor alternativas que envolvessem e valorizassem um maior número de pessoas na atividade do turismo, possibilitando o desenvolvimento não apenas econômico, mas também cultural, para uma maior esfera da comunidade.  Todo o processo é realizado em equipe, desde a construção dos projetos de pesquisa até a engenharia do robô que competirá na arena,  fortalecendo a capacidade de inovação, criatividade, senso círtico, raciocínio lógico e fomentando o trabalho colaborativo. De acordo com a professora de Matemática Caroline Maffi, o papel dos educadores era orientar e envolver o estudantes acerca da temática, auxiliando a elaboração de uma proposta de intervenção viável.

Desde 2010 a instituição participa de competições na área. O Festival Marista de Robótica – aberto a escolas públicas e privadas – é disputado em quatro categorias e três delas contaram com representantes do Aparecida: as turmas do 5º ano concorreram na modalidade Cidade-Laboratório, os estudantes da Oficina de Robótica (6º ao 9º ano) disputaram o Desafio de Robôs e os do 1º ano do Ensino Médio participaram da modalidade Incubando Ideias. Conforme explica a coordenadora pedagógica, Adriane Bussolotto, os critérios de premiação levam em conta, além da aplicabilidade da proposta, a presença de competências acadêmcias, políticas, étnico-estéticas e tecnólógicas.

O aplicativo

Na categoria Incubando Ideias (que estreou no desafio neste ano) os estudantes desenvolveram o conceito e o protótipo de um aplicativo que transforma o processo de reciclagem em uma espécie de rede social “gamificada” em que, a cada novo material destinado corretamente, o turista ganharia pontos dentro da plataforma por meio de um código QR. Eles também demonstraram na competição que a proposta tem potencial para ser ampliada para outras ações do bem, como doação de sangue e de livros.  A equipe ganhou o primeiro lugar no Pitch Day, além de um reconhecimento da PUCRS, em que foi premiada com o curso “Como desenvolver uma startup e o futuro do trabalho”.

Embora para muitos estudantes este tenha sido o primeiro contato com as questões trabalhadas, alguns já haviam participado do festival na modalidade Cidade-Laboratório quando estavam no 4º e 5º ano do Ensino Fundamental. Ao longo dos preparativos, o grupo participou de uma capacitação durante as férias. “Eu realmente me senti uma empresária. Eu gosto de assistir algumas coisas sobre empreendedorismo e é algo que parece muito distante, mas eu me senti dentro desse mundo”, comenta Vitória Tesser. Alguns aproveitaram a oportunidade para conhecer um pouco mais sobre ramos de seu interesse, como é caso de Ezequiel Wagner, que pretende seguir na área da informação, e Isabella Zucco, que se interessa por gestão de turismo. 

Segundo os participantes, a atividade suscitou diferentes aprendizados, incluindo o trabalho em equipe. Como os grupos são formados com base em inscrições nas oficinas extraclasse, nem todos já tinham afinidade. A partir do confronto de ideias é que se deu a estrutura da proposta. “Se a gente tivesse feito só com pessoas que tínhamos afinidade não teríamos desenvolvido uma ideia tão aprofundada”, destaca Isabella Medeiros.

Cidade-Laboratório
O que é:
modalidade expositiva, na qual os alunos criam maquetes com soluções para as cidades a partir do tema central proposto, levando em consideração suas aplicações e importância para a sociedade. Os projetos são avaliados de acordo com as soluções apresentadas, metodologia, produto e apresentação oral. Neste ano, as maquetes físicas deram lugar às projeções construídas pelos estudantes no Minecraft Edu. A proposta dos alunos foi a criação de alternativas para o turista no Centro da cidade, em roteiros que podem ser percorridos a pé, além da melhor utilização de espaços como a Praça Centenário, recebendo eventos e comercialização de produtos. 
Premiação: Iniciante/Anos Iniciais: 3º lugar (Equipe Apa em Ação)

Desafio de Robôs
O que é: consiste em programar robôs para realizar tarefas nas chamadas arenas, que envolvem estratégia, criatividade e tecnologia. Além disso, os estudantes também desenvolvem pesquisas relacionadas ao tema central do evento. A equipe Tecno Bike conquistou o primeiro lugar com um estudo que levantou as potencialidades para o desenvolvimento de uma ciclovia percorrendo pontos turísticos no Vale dos Vinhedos. Os outros trabalhos – não premiados nesta categoria – abordaram o uso de CouchSurfing (plataforma que ajuda o viajante a encontrar um sofá para dormir na cidade de destino) e a criação de um espaço para realização de oficinas gastronômicas no prédio onde funcionava a subprefeitura de Tuiuty. 
Premiação: Arena/Lego/ Iniciante: 1º lugar (Burrito del Flango) e 3º lugar (Tecno Bike)
Pesquisa/Produção/Iniciante: 1º lugar (Tecno Bike). 
Engenharia/Lego/Iniciante: 1º lugar (Burrito del Flango) e 2º lugar (Tecno Bike)

Incubando Ideias
O que é: uma jornada empreendedora em que, a partir da temática central, as equipes serão incentivadas a resolver problemas projetando, documentando e criando soluções que envolvam a construção de aplicações através de conceitos de programação. Busca fomentar o empreendedorismo e oportunizar reflexões sobre as potencialidades das tecnologias digitais na formação dos estudantes.
Premiação: PITCH DAY - Pitch Monster: 1º lugar (Ednaldo Pereira Produções) e Reconhecimento da PUCRS 



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA