Segurança
07/12/2018 17:26:50, escrita por Greice Scotton Locatelli

Na contramão do Estado, Bento registra aumento nos índices de homicídio

O governo do Estado divulgou nesta semana estatísticas positivas em relação aos crimes contra a vida no primeiro semestre, com 35,6% de queda nos índices de latrocínio e 25,7% nos homicídios (um total de 393 mortes a menos), em comparação ao mesmo período no último ano. A realidade, infelizmente, é bem diferente da vivenciada em Bento Gonçalves. Na cidade não foram registrados latrocínios no período, mas o número de assassinatos preocupa: foram 25 neste ano, contra 11 no ano passado, um aumento equivalente a 127%. 

Para o delegado Álvaro Pacheco Becker, titular da 2ª Delegacia de Polícia, a maioria dos casos tem envolvimento com o tráfico de entorpecentes, especificamente em relação à disputa por pontos de venda ou ao não pagamento de dívidas com traficantes. “Ao contrário do que ocorria anteriormente na cidade, esses números não refletem uma violência generalizada, mas indicam que há uma demanda cada vez maior por drogas, o que atrai traficantes e grupos para a cidade e cria essas disputas”, comenta. Dos 25 casos registrados entre janeiro e junho, 10 são investigados pela 2ª DP. Desses, somente um não teve ligação com o tráfico, diz o delegado.

Uma das maiores dificuldades dos investigadores é o silêncio. Isso porque muita gente que poderia ajudar na investigação se cala por medo de retaliações. “Certamente o homicídio é um crime que assusta e a dificuldade de se confirmar a autoria esbarra, invariavelmente, na falta de testemunhas”, salienta, acrescentando que denúncias podem ser feitas de forma anônima, pelo telefone (54) 3452 8978.

Caso mais recente


 

O caso mais recente – computado já nas estatísticas do segundo semestre – aconteceu no início da madrugada de sábado, dia 7, na rua Luiz Tomedi, no bairro Juventude. Um homem de 49 anos, identificado como Valdir Mota da Silva, foi executado por um grupo de atiradores dentro da casa onde morava. Ele não tinha antecedentes criminais graves. Um vizinho dele, de 31 anos, também foi baleado pelo grupo – até o fechamento desta edição, ele permanecia internado no Hospital Tacchini, onde passou por cirurgias durante a semana. O estado de saúde dele é estável. 

O caso está sendo investigado pela 1ª Delegacia de Polícia, pela qual o delegado Álvaro Pacheco Becker está respondendo interinamente. Segundo ele, todas as informações apuradas até o momento são preliminares e serão confirmadas no decorrer das investigações, incluindo a que aponta que o veículo Etios localizado horas após o crime, incendiado, no distrito de Faria Lemos, pode ter sido usado pelos atiradores. 



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA