Algoz do PT no “mensalão”, Joaquim Barbosa declara apoio ao ex-presidente Lula

Joaquim Barbosa foi indicado por Lula para uma cadeira no STF, porém foi um dos principais críticos do PT durante o “mensalão”, processo criminoso devastador para o partido e que teve Barbosa como relator

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente e candidato à Presidência em 2022, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu apoio à sua campanha de uma personalidade pouco provável: o ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. O ex-juiz gravou uma série de vídeos encaminhados ao diretório do Partido dos Trabalhadores, onde critica o atual presidente e candidato a reeleição, Jair Bolsonaro (PL), e declara apoio a Lula.

As declarações de Barbosa partem de um esforço do partido em angariar apoio de personalidades contrárias a Bolsonaro, mas que votariam em nomes como Ciro Gomes (PDT) ou Simone Tebet (MDB). É a busca pelo ‘voto útil’ para “resolver às Eleições já no primeiro turno”, dizem os petistas.

Vale lembrar que Joaquim Barbosa foi indicado por Lula para uma cadeira no STF, porém, foi um dos principais críticos do PT durante o “mensalão”, processo criminoso devastador para o partido e que teve Barbosa como relator.

Nos 12 vídeos que serão divulgados no decorrer da semana e explorados pela campanha, Barbosa defende o processo eleitoral e sua segurança, além do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o qual já integrou. Ele também afirma que Bolsonaro representa um risco à democracia.

O principal articulador do apoio foi o ex-governador de São Paulo e vice de Lula, Geraldo Alckmin (PSB). O agora socialista, telefonou para o ex-ministro e solicitou o apoio.

Em abril de 2018, em meio a diversos pedidos para que fosse candidato à Presidência nas Eleições daquele ano, Joaquim Barbosa se filiou ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) – o mesmo que Alckmin atualmente. Contudo, por “motivos pessoais”, Barbosa não concorreu ao pleito e se desfiliou do partido em 2022.

*Com informações de Folha de SP e Poder 360