• Vinícola Garibaldi

Assinada ordem de serviço para construção de nova ponte entre Caxias e Nova Petrópolis

  • Vinícola Garibaldi

A ponte definitiva terá investimento estimado em R$ 31 milhões e deve ficar pronta em até oito meses

Foto: Divulgação

Um importante passo para a reconstrução da ponte sobre o Rio Caí, em Caxias do Sul, foi dado na terça-feira, 04/06, com a assinatura pelo ministro dos Transportes, Renan Filho, da ordem de serviço para a obra de uma nova estrutura definitiva. Trabalhos de adaptação das margens do rio já estão em curso pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), estendendo em pedra o acesso às margens do curso d’água. Os serviços da nova estrutura incluem ainda demolição da ponte avariada, além da instalação de uma ponte metálica provisória que deve ser realizada nos próximos dias.

“O Exército Brasileiro pede até 15 dias para entregar a ponte provisória, mas a gente espera que ela fique pronta até o final da semana que vem”, detalha Renan Filho. A instalação da ponte metálica permitirá o fim da interrupção da BR-116 enquanto durarem as obras da definitiva.

A ponte definitiva terá investimento estimado em R$ 31 milhões. De acordo com o ministro, a expectativa é que o trabalho seja entregue com o máximo de celeridade. “O contrato para construção é de 8 meses, mas estamos conversando com o DNIT para usarmos essa ponte como símbolo da reconstrução do Rio Grande do Sul e a resiliência do povo gaúcho. Nós já temos os recursos e queremos entregá-la no máximo em 6 meses”, prevê Renan Filho.

Foto: Divulgação/PRF

Nova estrutura resiliente

A ponte sobre o Rio Caí, na divisa entre Caxias do Sul e Nova Petrópolis, sofreu danos estruturais no pilar central, instalado dentro do rio, que sofre com a pressão do alto volume de água trazido pelas chuvas. A estrutura chegou a ceder parcialmente, o que comprometeu a via a ponto de exigir sua demolição para a construção de uma nova passagem sobre o rio.

No novo projeto, está prevista uma ponte com novas tecnologias e que não necessite o pilar central. Para a passagem provisória, o DNIT preparou a extensão chamada de enrocamento, um dispositivo amortecedor formado por pedras para proteger taludes e canais contra os efeitos erosivos causados pelo fluxo da água.

“A gente chegou a ter 64 pontos interditados nas rodovias administradas pelo DNIT e 60 pontos em rodovias de concessões. Hoje temos apenas quatro pontos, já estamos trabalhando neles, mas ainda não há segurança para liberar para o tráfego por causa da instabilidade na serra”, avalia o ministro.

Durante a visita ao Rio Grande do Sul, o ministro Renan Filho foi recebido por uma comitiva formada pelos prefeitos de Caxias do Sul, Adilo Angelo Didomenico, e de Nova Petrópolis, Jorge Darlei Wolf, além de vereadores e autoridades. Também acompanhou a vistoria o diretor-geral do DNIT, Fabricio Galvão.