• Tacchini
  • Debianchi
  • Naturepet Pharma
  • Vinícola Garibaldi
  • Envase
  • Posto Ravanello

Bombeiro Militar é condenado a 18 anos de prisão por matar ex-namorada no RS

  • Naturepet Pharma
  • Tacchini
  • Vinícola Garibaldi
  • Envase

Apesar da condenação, o promotor de justiça afirmou que irá recorrer da pena aplicada pois a considera branda

Foto: MPRS

Um homem foi condenado, na segunda-feira, 04/12, a 18 anos de prisão pelo feminicídio da ex-companheira, em São Luiz Gonzaga. O crime ocorreu em março de 2016 no município do Noroeste gaúcho. Na época, o homem, que atuava como bombeiro militar e tinha 26 anos, foi até a casa da vítima, 24 anos, e disparou contra ela.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), o motivo do crime foi a não aceitação, pelo acusado, do término do relacionamento, o que configura motivo fútil. Também foi apontada a qualificadora do feminicídio, já que o delito foi cometido no âmbito da violência doméstica e familiar contra a mulher.

Apesar da condenação, o promotor de Justiça Vinícius Cassol, que atuou no júri, informa que irá recorrer do tempo da pena aplicada e também pelo fato de que a Justiça não acolheu o pedido de prisão do réu. Em plenário, foram ouvidas cinco testemunhas. Já durante os debates, que se estenderam até o final da tarde de segunda-feira, o promotor sustentou a total procedência da denúncia, com as duas qualificadoras.

Depois, os jurados acolheram integralmente os pedidos do MPRS, contudo, o entendimento do promotor foi de que a pena não condiz com o crime cometido, muito menos o fato do bombeiro — que atualmente está na reserva — seguir em liberdade.

“A pena ficou muito aquém do esperado para o caso concreto, um crime consumado, praticado por um bombeiro com uma arma com numeração suprimida e com duas qualificadoras, bem como discordo do entendimento do magistrado quanto à prisão, razão pela qual foi apresentado recurso de apelação ainda durante a sessão”, ressalta Vinícius Cassol.

Fonte: MPRS