• Naturepet Pharma
  • Vinícola Garibaldi
  • Envase
  • Ótica Debianchi Lente em Dobro

Capivara Filó é devolvida a influencer do Amazonas após decisão judicial

  • Posto Ravanello
  • Envase
  • Debianchi
  • Vinícola Garibaldi
  • Naturepet Pharma

O animal havia sido entregue para o Ibama na quinta-feira, 27/04

Foto: Reprodução Instagram

A capivara Filó foi devolvida ao influencer Agenor Tupinambá na manhã deste domingo, 30/04, em Manaus, após uma decisão da Justiça Federal do Amazonas. O animal havia sido entregue para o Ibama na quinta-feira, 27/04.

Na decisão do juiz federal Márcio André Lopes Cavalcante, Agenor pode levar a capivara para o seu habitat natural, desde que comprove que o transporte será em meios seguros, o que deverá ser atestado por um veterinário e/ou biológo.

“Enquanto não se efetiva o transporte de Filó, ela deverá permanecer no Zoológico do Tropical Hotel, considerando que o autor informa já ter obtido o aval do RT Biólogo Ricardo dos Santos Amaral”, decidiu o magistrado.

Ainda segundo ele, Agenor deverá informar ao juízo periodicamente as condições de saúde do animal, devendo também ser facultado livre acesso dos órgãos ambientais para a fiscalização da capivara.

Uma manifestação foi realizada na manhã deste domingo, em frente à sede do Ibama, em Manaus. Os manifestantes pediam a imediata soltura do animal, que estava em posse do órgão ambiental.

A deputada estadual Joana D’Arc (União Brasil), que acompanha o caso, chegou a invadir a sede do órgão, para tentar soltar a capivara à força. No entanto, foi contida por seguranças do Ibama. Logo em seguida, ela entrou em uma das salas do local, alegando que estava “fiscalizando” as instalações.

Foto: Ibrahim Ossame/Rede Amazônica

Em nota divulgada pelas redes sociais, o Ibama disse que a capivara vai ficar com Agenor até sua soltura em uma unidade de conservação previamente selecionada, que abriga outros indivíduos da espécie.

O órgão também repudiou o que chamou de “intimidação praticada contra seus servidores, em uma clara tentativa de deslegitimar a atuação do Instituto no cumprimento da legislação ambiental”.

Fonte: Portal G1 Amazonas