Mais empatia e menos mimimi

Por: Greice Scotton Locatelli | 01/11/2019 06:00:06

Um novo ano começou e com ele a chance de “virarmos a página”. Depois de um 2018 tenso, com muitas notícias ruins, o meu desejo é que 2019 seja mais simples. E, para isso, mais empatia e menos mimimi são fundamentais.

Ter mais empatia vai além do respeito: é colocar-se no lugar do outro, não fazer o que não gostaria que fizessem com você. Mimimi é sinônimo de reclamação sem fundamento, ou rabugice – chame como quiser. No ano passado, faltou empatia e sobrou mimimi. Neste ano precisa ser o contrário.

O ano tem tudo para ser excelente. Em alguns setores, a máxima “pior do que está não pode ficar” é o que mais se ouve. Mas eu sempre tenho o pé atrás quando o assunto é piorar: como jornalista, já presenciei situações que nem o mais pessimista dos seres teria imaginação para criar. Então, melhor não arriscarmos. 

Vamos às apostas – aprendi a lição de deixar registrado em 2018, quando, na metade do ano, falei que teríamos mais de 50 homicídios e fui tachada de “louca”. Infelizmente, se confirmou.
Eu acredito que 2019 vá ser excelente. Em nível nacional, o cenário político e econômico parece se encaminhar para uma retomada pós-crime (financeira e moral). Como cidadã brasileira, fiquei comovida ao ver o país aclamando um presidente como se faz tradicionalmente com artistas. Independentemente de eu ou você sermos de direita ou de esquerda, estamos todos no mesmo barco e cabe a cada um de nós torcer para que dê certo e o país se desenvolva. Quem sabe com os brasileiros mais apaixonados por política, também cresçam a fiscalização e a cobrança sobre os eleitos – o mínimo que deveríamos fazer, mas que andava esquecido.

Especificamente em Bento Gonçalves, há expectativa de que grandes demandas saiam do papel – a maior delas é o Novo Presídio, que deve ser inaugurado no final de janeiro, depois de mais de 30 anos de espera. Mas há também outros grandes projetos, anunciados recentemente pela prefeitura, que prometem transformar a cidade em um canteiro de obras (no sentido positivo da expressão). É de suma importância que se invista em iniciativas grandiosas, mas vale lembrar que os pequenos problemas também merecem atenção. 

Quanto à violência, já não consigo ser tão otimista. Não acho que o número de homicídios vá superar 2018 – espero que tenha sido o “fundo do poço” e que as coisas melhorem. Mas, ao mesmo tempo, não aposto em uma queda muito drástica nessa estatística porque em 2018 a esmagadora maioria dos casos de homicídio teve ligação direta com o tráfico e, infelizmente, não há uma solução mágica para esse mal. Enquanto houver consumo, haverá tráfico. Enquanto houver traficantes, haverá violência. O consumo se evita com educação, aquele trabalho preventivo de formiguinha cujos resultados na maioria das vezes não temos como mensurar. Violência se combate, também, com repressão e fiscalização. Nesse contexto há grandes expectativas de investimento para 2019, o que deve manter Bento entre as cidades mais bem equipadas do Estado.

Em 2019, o SERRANOSSA seguirá levando a você todas as informações da maneira mais simples e imparcial possível, assim como seguiremos insistindo para que haja mais empatia e menos mimimi. É só uma questão de hábito, como tudo na vida.


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.



Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 702
22/03/2019 08:00:55
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA