O sentido do fracasso

Por: Padre Ezequiel Dal Pozzo | 25/03/2019 09:00:46

O fracasso em si não tem sentido, mas nós podemos dar-lhe um sentido. Nem tudo na vida dá certo logo, de saída. Muitas tentativas dão certo no começo e depois vem o fracasso. Nas relações humanas também é assim. Embora sempre haja esforço para fazer as relações darem certo, o fracasso pode acontecer, os conflitos vêm e nem sempre se consegue sair deles com sucesso. No trabalho, no casamento, no namoro, nos projetos de vida, tudo é uma construção que pode dar certo ou não.

Todo fracasso pode passar por um exame detalhado para vermos porque aconteceu. Isso traz aprendizagem para fazer melhor posteriormente. Os caminhos possíveis sempre existem e o desafio é manter forças para trilhá-los. Ocorre que, ao fracassar um projeto ou um relacionamento, o que não pode é que nós fracassemos junto. O “eu” não pode ruir, desmoronar. Preciso distinguir entre aquilo que eu sou e os projetos que tenho. Embora, tudo o que faço tenha um pouco ou muito de mim, há uma diferença entre a pessoa e o seu projeto.

Além disso, o outro aspecto é perceber que o fracasso pode revelar que os projetos que ruíram não faziam parte da minha essência. Assumi algo que não era meu, não era de minha vontade, não revelava o meu desejo mais honesto e profundo. Não estava de acordo com a minha natureza. Por isso, o fracasso também quebra em mim alguma coisa no qual eu havia colocado minha esperança, mas nem sempre estava em conformidade comigo mesmo.

Algumas pessoas quebram quando quebram seus projetos. Existem muitas concepções de vida, visões de mundo, jeitos de compreender a realidade que podem se quebrar. Como o ser humano é uma construção contínua, isso faz parte. Muitas vezes posso me considerar muito competente, muito criativo e empreendedor e o fato de fracassar me faz assumir uma nova visão. Quebro as ilusões e expectativas que fiz a respeito de mim mesmo. Outras vezes, as expectativas podem ser depositadas nos outros. Acredito que os outros podem me trazer muitos benefícios e depois percebo que esperei muito neles, pois os benefícios não vieram.

Os fracassos podem assim me abrir para uma vida mais verdadeira. Percebo com mais honestidade quem eu sou, quem são os outros e me abro para Deus. Às vezes as nossas concepções de vida precisam ruir para que possamos assentar-se mais na realidade, na verdade. Nesse momento Deus pode, com seu amor, nos ajudar a reconstruir nossa verdadeira casa, de acordo com nossa essência. Na Bíblia aparecem muitas histórias de reconstrução a partir de ruínas, de quedas e fracassos. Dos escombros, das cinzas, Deus faz brotar o novo. 

Deus está sempre criando e reconstruindo. Por isso, também não posso manter sentimento de culpa pelo meu fracasso, pelo meu erro. Se fizer isso fico sem energia para reconstruir. O meu fracasso pode me fazer encontrar o cerne mais autêntico de mim mesmo e isso também é libertador.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Padre Ezequiel Dal Pozzo

Padre Ezequiel Dal Pozzo

Sacerdote da Diocese de Caxias do Sul (RS), padre Ezequiel é cantor e compositor e lidera o projeto "Despertai para o Amor", de evangelização através da música e dos meios de comunicação. Já lançou seis CDs e um DVD e roda o Brasil com shows musicais, palestras, missas e pregações. Apresenta diariamente a reflexão "Despertai para o Amor" em mais de 250 rádios de 19 Estados do Brasil e o programa semanal "Despertai para o Amor" na TV Evangelizar e na TV Nazaré. É editor da Revista "Despertai para o Amor", de circulação trimestral, e autor do livro "Beber na fonte do amor: como a misericórdia humaniza e traz verdadeira alegria" (Edições Loyola).



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.



Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 706
18/04/2019 08:00:43
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA