Você conhece um Gabriel?

Por: Greice Scotton Locatelli | 02/07/2020 06:00:17

Eu amo muito quando exemplos positivos surgem e podemos divulgá-los. Amo especialmente aqueles que envolvem empatia e solidariedade. Na última semana, policiais da Brigada Militar que atuam em Imbé, no litoral Norte gaúcho, se juntaram a outros que reforçam o policiamento na região durante a Operação Golfinho para ajudar uma família. O menino Gabriel, de 12 anos, catava latinhas durante a noite para vender e conseguir dinheiro para comprar material escolar para ele e para a irmã, Patrícia, de 9. 

Era muito simples: o primeiro policial que ficou sabendo poderia ter pensado “coitadinho” e simplesmente ignorado a situação. Tão mais fácil, sem trabalho nenhum. Mas não: ele não só passou por cima desse sentimento de pena como contou a história para outros soldados e logo uma rede de solidariedade se formou. Gabriel e a irmã receberam, além de material escolar, itens de higiene, alimentos, tênis e cobertores. Um exemplo de como é possível ajudar o próximo tendo um pouco de amor no coração.

Repare, no entanto, que em nenhum momento eu citei o nome do policial que começou essa corrente. A própria Brigada Militar não o fez, outro ato que merece nosso respeito. Atitudes assim são ainda mais bacanas quando não se utiliza a caridade como ferramenta de promoção pessoal. 

A história do Gabriel é só uma de muitas iniciativas positivas que envolveram também outras instituições e entidades. Algumas – como o projeto Padrinhos na Escola, que arrecada material escolar para crianças carentes, ou o Grupo Renascer da Serra, que une esforços para aparelhar o Pelotão de Operações Especiais (POE), por exemplo – reúnem pessoas da comunidade que têm como prioridade fazer o bem, atuando nos bastidores. Ações locais, que impactam vidas e mudam o futuro. Gestos simples, que demandam apenas um pouco de amor e de vontade de ajudar. 

A Brigada Militar tem dado exemplos desse tipo de tempos em tempos não só auxiliando famílias necessitadas, mas também com ações que ajudam a mostrar que a corporação não atua apenas na repressão de crimes: faz parte da comunidade em que está inserida. Algumas situações recentes aqui na região mesmo demonstram essa preocupação: os soldados participam de festas infantis que têm como temática a BM, presenteiam crianças que sonham em ser policiais com fardas e visitam escolas. Muitas dessas iniciativas são fruto de histórias que os policiais passam a conhecer através do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas).

É assim, com pequenos exemplos e singelas atitudes, que se muda o mundo. É assim que crianças como Gabriel e Patrícia aprendem que, apesar da dificuldade e de toda a maldade, o bem prevalece e há esperança nesse mundão que os aguarda. Que iniciativas assim nos inspirem a sermos seres humanos melhores, um dia de cada vez.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 747
14/02/2020 08:04:07
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA