As duas metades cheias do copo

Por: Thiago Galvan – Atualidades | 04/03/2020 06:00:25

“Ainda que eu falasse a língua dos homens, e falasse a língua dos anjos, sem amor, eu nada seria”. Essa frase bíblica (Coríntios, 13:1), popularizada pela canção do Legião Urbana lá em 1989, quando do lançamento do álbum “As Quatro Estações”, nunca esteve tão em voga como nos últimos dias.

Em meio à expectativa da reabertura do comércio e da indústria em geral, na nossa região, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, por meio do Governador Eduardo Leite, decretou a suspensão das atividades até o dia 15.04. Para uns, tal decisão mostra-se desproporcional, haja vista que as mortes que virão com a recessão do período pós-quarentena serão bem superiores àquelas vindas com a própria doença. Para outros, as vidas devem ser preservadas de qualquer forma agora, e seremos capazes de superar a crise, já que não é a primeira que enfrentaremos no mundo inteiro.

Ou seja, sempre há, para tudo, um lado bom e um lado não tão bom. Já dizia Pablo Neruda: “Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências”. Por conta disso, ao longo dos meus 40 anos completados nesta semana, aprendi que tudo tem um lado bom e uma lição. Ou seja, sendo assim, tudo tem dois lados bons.

Meu querido amigo Dr. Ricardo Vogt, colega advogado e presidente da Comissão Estadual de Direito Imobiliário da OAB/RS, certa vez nos disse que: “mesmo a metade vazia do copo está cheia de ar”. Tal colocação nos traz à tona as oportunidades que todas as ocasiões e vivências nos apresentam, bem como salientam aquilo que trouxe acima, há pouco, no sentido de que mesmo os acontecimentos não tão positivos, se deixarem uma lição, são a “metade cheia de ar do copo”.

Ora, com isso, temos uma certeza: todos nós estamos aprendendo a conviver com essa situação, e criando novas rotinas e oportunidades de (con)vivência com as pessoas. E também estamos vendo a importância de aproveitar aqueles momentos que podemos com aqueles que amamos. Estamos aprendendo a conviver em família, a ficar em casa, a nos exercitarmos dentro de casa ou, agora, aprendendo a importância de colocarmos a nossa vida em primeiro lugar em nossas rotinas. Estamos, também, tendo que nos reinventarmos como profissionais. Afinal, todos nós sentiremos consequências dessa quarentena.

Costumo dizer que tenho a oportunidade de conviver com pessoas que pensam, pensam bastante, pensam para frente, pensam com amor. O empresário Fabiano Feltrin, Mentor, Cantor, proprietário do Grupo Feltrin, detentor de marcas como Bob’s Serra, e Hard Rock Café, em Gramado, é uma delas. Fabiano Feltrin tem uma palestra denominada “Um Novo Mundo; Uma Nova Vida”. Confesso que, na correria que estava minha vida antes da quarentena, não parei para assistir à palestra por completo. Penitencio-me! Ainda assim, tive a oportunidade de vê-lo falando sobre o assunto, que para fazer um novo mundo, uma nova vida, precisamos nos descobrir, fazer melhor, fazer um pouco por dia e fazer algo diferente, seja para o meu bem, seja para o bem comum. E fazer com amor! E aí eu concluo que, sem amor, nem eu, nem você, e nem mesmo o Fabiano Feltrin, pois já ouvi dele isso, nada seríamos.

Que essa quarentena sirva, então, para que possamos aprender a enxergar a nossa metade cheia do copo, que possamos dela tirar sempre uma situação positiva ou, então, uma lição positiva. Afinal, como disse Dr. Ricardo Vogt, mesmo a metade vazia do copo está cheia de ar... Até a próxima!

 

Apoio:


 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Thiago Galvan – Atualidades

Thiago Galvan – Atualidades

Advogado (OAB/RS 64.762) | Especialista em Direito Público e em Direito Penal e Criminologia, ambas pela PUCRS. Diretor Jurídico da ASCORI. Diretor da AGADIE para o Biênio 2020/2022. Membro da Comissão Estadual de Direito Imobiliário. Contato: [email protected]




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 788
27/11/2020 00:05:43
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA