Vamos combinar?

Por: Greice Scotton Locatelli | 28/05/2020 23:45:46

Já que é tempo de mudança de tudo: rotina, comportamento e expectativas, vamos combinar algumas coisas?

Que tal pararmos de julgar os outros com base nas nossas próprias vivências? O que é certo para mim pode não ser certo para outra pessoa: um mesmo assunto pode ter diferentes pontos de vista, sem  que eles necessariamente se anulem, como se apenas um pudesse ser certo. E isso vale, especialmente para as redes sociais. Você sabia que pode ler algo do qual discorda e simplesmente continuar a sua vida, sem precisar discutir, esbravejar ou desfazer amizades? E se parássemos de nos agredir on-line, tendo mais empatia pelo que os outros pensam e sentem ou pela forma como vivem?  Certamente o mundo seria um lugar bem mais tranquilo.

Vamos parar de rotular as pessoas como “raiz” ou “Nutella” só porque escolheram estilos de vida diferentes do seu? Isso vale, especialmente, quando o assunto é maternidade/paternidade. Só porque um casal decidiu criar seu(s) filho(s) de uma maneira diferente que a sua, isso não significa que estejam errados. Aliás, esse é um apelo especialmente para aquelas mulheres que, apesar de sentirem na pele os mesmos dramas que as outras, insistem em atirar a primeira pedra, como se fossem perfeitas. Que tal darmos fim a esse ciclo interminável de julgamentos que começa desde a decisão de querer ou não ter filhos até todos os detalhes da criação dos pequenos? Cada um sabe da sua realidade e, tenho certeza, o mundo seria um lugar muito melhor se simplesmente guardássemos para nós certos pensamentos e apontamentos.

Julgar é tão fácil que na maioria das vezes a gente esquece aquele ensinamento bíblico que serve até mesmo para quem não acredita na fé: da mesma forma com que julgardes serás julgado.  Eu sei que não é fácil – ah, quem dera fosse! –, mas vamos tentar policiar nossos próprios pensamentos, para que sejamos pessoas melhores a cada dia? Como e quando der, um dia de cada vez.

Vamos combinar outro negócio? A pandemia já está dificultando nossa rotina o suficiente, certo? Então que tal pararmos de atacar quem tem opiniões contrárias às da gente? Aposto que você tem dois tipos de conhecidos: o que está obcecado pela doença e aquele que julga como “louco” quem está preocupado com a contaminação. A única certeza que temos é que há pouquíssimas certezas sobre isso. Simples – e triste – assim. Desde o início, praticamente tudo que foi divulgado como certo acabou caindo por terra em algum momento, incluindo que a doença só acometia idosos debilitados e que máscaras não deveriam ser usadas, entre tantas outras informações.  E olha a situação que enfrentamos hoje, a ponto de o uso de máscaras ser obrigatório por decreto, para citar apenas um dos exemplos. Diante de tantas incertezas, você acha que vale a pena pessoas leigas, como nós, ficarem se digladiando na internet defendendo pontos de vista que não farão a mínima diferença para barrar essa ameaça à saúde das pessoas? Que tal mudarmos isso também?

Eu sei que os dias não têm sido fáceis e que os problemas e preocupações se acumulam, mas certos comportamentos só tornam tudo ainda mais complicado. Que tal praticarmos a empatia, nos colocando no lugar do outro antes de julgarmos ou criticarmos? Que tal aceitarmos que todos nós (sem exceção) somos seres imperfeitos sujeitos a erros e acertos? Isso nós podemos mudar.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 768
07/10/2020 00:05:39
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA