A morte do bom senso

Por: Greice Scotton Locatelli | 26/06/2020 10:14:14

Laura é uma daquelas pessoas que pensam que o novo Coronavírus é uma invenção da mídia. Aliás, não é, era. Há algumas semanas, a avó dela teve o diagnóstico confirmado da doença e não resistiu. A morte foi repentina: entre os primeiros sintomas e o óbito passaram apenas 6 dias. Parece pouco, mas foram dias longos, exaustivos, preocupantes e, especialmente, solitários. Ninguém pôde acompanhar a idosa, nem mesmo se despedir dela ou ver o corpo. 

Embora a dona Áurea estivesse cumprindo rigorosamente o isolamento domiciliar desde a metade de março, foi contaminada pela outra neta, Joana, irmã de Laura, com quem morava. Joana teve febre e dor de garganta com sintomas leves e se recuperou em poucos dias, sem sequer ter precisado procurar atendimento médico. Nem desconfiou que estava contaminada, achou que era uma inflamação na garganta. Só soube que havia sido infectada depois da morte da avó, quando o teste apontou que ela tinha anticorpos para a doença. 

É bem verdade que a dona Áurea tinha algumas doenças pré-existentes – hoje em dia isso não é exclusividade só dos idosos –, mas a hipertensão e o diabetes estavam controlados. Dona Áurea podia ter vivido tranquilamente mais 10, 15 anos. Mas morreu antes de completar 80 anos, em função da COVID-19. 

A morte da vó Áurea se tornou ainda mais dramática em função da culpa. Nos finais de semana anteriores, Laura e Joana aproveitaram para rever amigos e ir tomar chimarrão na praça. Ambas estavam cansadas de ficar presas em casa há semanas e decidiram sair para espairecer. Teria sido Joana contaminada em uma dessas saídas por diversão? Durante as compras? Ao tocar em alguma superfície contaminada na rua? Não há como saber. 
Laura decidiu homenagear a avó nas redes sociais. “Hoje perdemos nossa referência de vida, a dona do maior coração que conhecemos, que nos criou e que fez parte de cada segundo das nossas vidas. Vó, descanse A morte do bom senso em paz. Essa doença maldita tirou você de nós, mas o que mais dói é a dúvida e a culpa”. 

Mas como em tempos de pandemia e de ânimos exaltados nem tudo são flores, o que era para ser uma homenagem logo virou polêmica – entre a própria família, pasme. Dona Áurea tinha 5 filhos e 13 netos. E boa parte deles segue não acreditando que a doença exista, apesar de ter vivido de uma forma tão próxima. Laura bem que tentou argumentar, em vão: dona Áurea teve os sintomas clássicos do novo Coronavírus, precisou ser internada na Unidade de Terapia Intensiva e entubada, ficou (e morreu) no isolamento. Não teve despedida, nem velório. No atestado de óbito, o médico citou a COVID-19 como causa da morte. Mas os primos seguem duvidando, inclusive publicamente. 

Em comum, todos defendem que a economia não pode parar e esse seria o motivo pelo qual tentam fingir que a pandemia é uma invenção política. Ironicamente, Laura e Joana também consideram que o ideal seria a vida continuar. O que muda é que as meninas entenderam que o mundo pode continuar girando, mas que as pessoas não podem baixar a guarda. Pelo menos não por enquanto. 

Laura e Joana criaram novas contas nas redes sociais, nas quais os primos estão bloqueados. Elas não admitem que alguém torne a dor delas ainda maior por pura teimosia. Quando a pandemia passar, elas deverão viver um novo momento de luto: os tradicionais almoços de família, comandados com maestria pela vó Áurea desde que elas eram crianças, nunca mais acontecerão, não só porque ela faleceu, mas porque simplesmente não há mais clima. O vírus levou a matriarca da família e o bom senso tão necessário para a convivência. 

Acredite você ou não na existência da doença, essa é uma história real, de uma família que você pode até conhecer. Os nomes foram trocados para preservar o pouco de dignidade que restou.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 788
27/11/2020 00:05:43
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA