Aplausos à reinvenção

Por: Greice Scotton Locatelli | 07/10/2020 11:11:21

Dizem que ideia genial é aquela que faz você se questionar “por que eu não pensei nisso antes?”. Em tempos de pandemia, vale dizer que ideia genial também pode ser sinônimo de reinvenção, de sair da zona de conforto, de “pensar fora da caixa” e, acima de tudo, de arriscar. 

No mês de março, quando começou a mobilização massiva para tentar conter a disseminação do novo Coronavírus por aqui, a suspensão temporária da rotina era tida como a solução ideal. Duas semanas de confinamento seriam suficientes para conter a contaminação e logo tudo voltaria ao normal. Só que os 15 dias viraram um mês, depois dois, depois três. E aqui estamos nós no quarto mês dessa quarentena que parece cada dia mais interminável e segue tão repleta de incertezas de todo tipo como era no início. 

Ok, é algo sob o qual não temos o menor controle. Mas e sobre nossas vidas? Por isso eu pergunto: o que você fez desde o início da pandemia? Ficou vendo a vida passar ou arregaçou as mangas e foi à luta? 

Eu confesso que estou na primeira categoria, especialmente porque continuei trabalhando e porque a carga de trabalho aumentou consideravelmente nesse período. Manter a mente ocupada em tempo integral fez com que eu simplesmente seguisse, sem precisar me preocupar em pensar alternativas, apesar da confusão que virou a rotina, repleta de incertezas, de angústia e de dilemas na hora de decidir como, quando e por que noticiar determinado fato. 

Muitas outras pessoas, entretanto, não tiveram a oportunidade de continuar. Perderam seus empregos, viram suas empresas fechando as portas e se desesperaram. O mais importante, no entanto, foi o que veio depois: muitas delas souberam respirar fundo, ergueram a cabeça, acalmaram o coração e fizeram do momento de dificuldade uma inspiração para seguir tentando. 

Há algumas semanas, uma reportagem publicada pelo SERRANOSSA mostrou duas empresárias de Bento Gonçalves que mudaram totalmente de ramo: Paula Araújo, dona de uma escola infantil que transformou a cozinha do estabelecimento em uma fábrica de pães e capelettis, e Andreia Biasotto, que se reinventou vendendo bolos e outras delícias depois que a empresa de recreação infantil se viu obrigada a fechar as portas em função da pandemia. 

Agora surge um novo projeto por aqui, intitulado “Eu me reinventei”. Comandada pela repórter Raquel Konrad, a iniciativa busca valorizar empreendedores que criaram alternativas para superar os momentos de incertezas e divulgá-las na internet em forma de vídeo. A própria ideia, aliás, veio de um desses momentos, já que Raquel estava afastada da empresa desde o início da pandemia, com o contrato de trabalho suspenso, e agora retorna com esse novo desafio. 

Na vida é importante perceber as lições que cada situação complexa tenta nos ensinar. E em tempos de pandemia, lições não faltam. Que bom que existem pessoas capazes de provar que nada é impossível quando se tem uma boa ideia aliada à vontade de trabalhar. Que bom que existem outras pessoas que apoiam essas iniciativas e fazem a roda da vida girar. 

Que bom que existe sempre um novo dia e uma nova oportunidade de recomeçar. A todos, o nosso aplauso! 

Seguimos firme, torcendo para que aos poucos a vida vá voltando ao normal que conhecíamos antes da pandemia. Ou pelo menos boa parte dele. Porque, como eu citei na coluna da última semana, esse novo normal tem exigido muita paciência. Podemos nos acostumar a novos hábitos e rotinas, mas não podemos encarar a perda de pessoas queridas como algo natural nesse contexto.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 772
08/07/2020 00:05:53
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA