Manutenção preventiva ou manutenção corretiva?

Por: Vicente Tomasi – Falando de condomínio | 14/09/2020 12:07:20

Todo proprietário de um imóvel sabe que ele requer manutenções. Nos condomínios não é diferente, todo mês tem alguma para ser feita. Porém, muitas vezes não são realizadas as manutenções necessárias, já que há sempre aqueles que querem dar um “jeitinho brasileiro” e utilizam argumentos como “dá pra deixar mais um tempo”, “dá pra levar assim”, “não vamos gastar agora” ou “isso aí aguenta mais 2 anos”. E assim começam as dores de cabeça do nosso amigo e já famoso síndico. 

É importante ressaltar que a periodicidade das manutenções é extremamente importante. Quando falamos de pintura, é preciso prestar atenção nos materiais utilizados e recomenda-se pintar a cada 3 ou 5 anos. A limpeza das fossas e caixas-d’água, por sua vez, deve ser realizada anualmente e a limpeza das caixas de gordura e calhas, troca dos extintores, revisão do telhado, dentre outros, deve ser feita semestralmente. 

Além dessas, ainda há outras várias manutenções que precisam ser realizadas, sendo que algumas delas não sendo feitas de forma correta ou dentro do prazo dão uma grande dor de cabeça para o síndico e moradores. Quer um exemplo? Uma pintura que passa do período mínimo começa a trazer sérios problemas de infiltrações, sem contar a questão estética que desvaloriza totalmente o imóvel. E em toda reunião de condomínio os argumentos são os mesmos: “não, deixa assim”, “o valor tá muito alto”, “deixa pro ano que vem, agora não dá”, e assim a barriga vai empurrando pra frente e gerando uma manutenção posterior que vai custar, no mínimo, o dobro.

Uma dica é que cada condômino seja a favor de colocar um valor mensal (nem que seja R$ 10) na conta do condomínio a fim de prevenção. No final do ano, o valor faz toda a diferença, mas todos pensam sempre no momento atual. 

Deixar estragar e fazer chamada extra: essa é a regra mais usual dos condomínios, mas nem todos sabem que fazer isso sempre custa bem mais caro do que trabalhar com a prevenção. Temos vários exemplos onde se trabalha a prevenção e se economiza muito. Outro ponto é contratar as empresas por conhecimento técnico e não por preços, pois nem sempre o melhor serviço será o melhor preço. 

Nos últimos tempos vimos muitos casos de problemas sérios em condomínios que tiveram que gastar muito dinheiro para poder recuperar o que foi feito de forma corretiva e não preventiva, lembrando sempre que o síndico responderá juridicamente em caso de manutenções não feitas, como é o caso da manutenção mensal dos elevadores. 

O síndico é o representante legal dos condomínios, mas muitas vezes ele fica de mãos atadas, pois a maioria na reunião não concorda com a prevenção e sempre prefere a manutenção corretiva. Mas acredito que isso é uma questão cultural, pois nunca fomos educados a nos prevenir, sempre fomos acostumados arrumar depois. E assim, sem a mudança de mentalidade, os condôminos perdem muito em não adotar um plano de manutenção preventiva. 

Que tal participar mais das decisões do condomínio e evitar prejuízos na estrutura? Busque as devidas informações, o patrimônio é seu!
 


 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Vicente Tomasi – Falando de condomínio

Vicente Tomasi – Falando de condomínio

Síndico profissional. Diretor do Grupo Tomasi (http://www.grupotomasi.com.br/site/)





 




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 778
18/09/2020 00:05:13
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA