Reformas no apartamento: tudo que você precisa saber antes de começar a sua

Por: Vicente Tomasi – Falando de condomínio | 11/06/2020 15:59:57

Pensando em reformar o seu apartamento? Bom, venho avisar que não é só pegar a marreta e sair reformando tudo. Há uma série de medidas que precisam ser tomadas antes de começar uma obra interna no seu apartamento, tendo como base a ABNT 16280:2015. 

Essa norma da ABNT surgiu para que todas as obras dentro de condomínios verticais sejam avaliadas por um engenheiro e um arquiteto e também passem pelo aval do síndico. 

Parece burocracia, mas essa avaliação técnica é para garantir a segurança de todos os moradores e evitar danos à estrutura do prédio. Quer alguns exemplos? Em 2012, no centro do Rio de Janeiro, o Edifício Liberdade caiu porque uma reforma em um escritório no 9º andar do empreendimento derrubou 9 paredes, sendo 4 delas estruturais, ou seja, ajudavam a sustentar o peso da construção. Se você decidir trocar o piso do seu apartamento sem conhecimento total da estrutura do prédio, poderá estar quebrando a tubulação de gás do seu imóvel e, na pior das hipóteses, provocando uma explosão. Se você instalar um ar-condicionado sem a contratação de uma equipe capacitada, na hora de quebrar uma parede para instalar o equipamento, você pode estar comprometendo toda a estrutura do prédio. 

Então, para evitar todas essas situações, na hora de realizar a instalação de ar-condicionado, vidros na sacada, hidrossanitários, revestimentos ou qualquer outra intervenção que mexa na estrutura do prédio o morador precisa: 

- Contratar – antes do início da reforma – um engenheiro ou arquiteto para que acompanhem a obra e assinem, respectivamente, uma Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT).  

- Entregar ao síndico a ART ou RRT; escopo da obra, informando quais serão as alterações desejadas; cronograma de obras, informando sua data de início e de previsão de término, se haverá ruído e em quais dias e horários isso ocorrerá; documento com identificação da empresa e dos funcionários (RG e CPF) que estão realizando a obra e termo de encerramento de obra quando está estiver finalizada. 

Após receber toda a documentação, cabe ao síndico disponibilizar todos os requisitos e ações necessárias para a realização da obra; autorizar a entrada de insumos e de prestadores de serviço; informar horário para realização de serviço; verificar (ou delegar a terceiros) o devido atendimento ao plano de reforma, assegurando as condições necessárias para o andamento da obra e outras atribuições previstas na ABNT 16280:2015. 

Caso o condômino não entregue ao síndico a documentação prevista, o síndico tem a liberdade para notificar e/ou multar o morador, proibir a entrada de insumos para a obra e de prestadores de serviço, bem como embargar a obra através de Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia. 

Aconselho, também, que em obras muito grandes, mesmo que o morador entregue a ART e RRT, o síndico, a fim de se resguardar, também busque a avaliação de outro engenheiro ou arquiteto para a realização de uma segunda análise, evitando, dessa forma, problemas futuros. 

Saliento, ainda, que uma obra sem o acompanhamento técnico especializado, além de custar caro em longo prazo, traz bastante dor de cabeça e pode colocar em risco a vida de moradores e prejudicar a estrutura do prédio.
 


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Vicente Tomasi – Falando de condomínio

Vicente Tomasi – Falando de condomínio

Síndico profissional. Diretor do Grupo Tomasi (http://www.grupotomasi.com.br/site/)





 




Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 787
20/11/2020 00:05:02
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA