Não está satisfeito? Me demita!

Por: Greice Scotton Locatelli | 26/01/2018 06:00:14

No caixa do supermercado onde eu costumo fazer minhas compras, elogio a atendente, com quem converso seguidamente. Acostumada a vê-la sempre com o cabelo preso, fico surpresa ao perceber os fios soltos, finamente ajeitados com uma presilha. Ela retribui o elogio, mas logo o clima da conversa muda e ela passa a reclamar da empresa, que não permite a prática por questões de higiene. “Eu não estou nem aí, hoje decidi descumprir a regra. E se não estiverem satisfeitos, me demitam”. Fico surpresa com a aspereza da resposta e tento amenizar. “Lembra que está difícil conseguir emprego”, pondero. “Que nada, menina. Está cheio de emprego por aí, é só ter vontade de trabalhar”, ela garante.
Quisera eu que essa fosse a nossa realidade e não uma mera teoria embasada em uma esperança quase clichê que não encontra nenhuma sustentação na prática. Existem empregos, sim. Muitos. Mas há muito mais gente desempregada lutando para voltar ao mercado de trabalho, sobretudo em razão da crise. Conheço muita gente boa, qualificada e com boa vontade que está penando para conseguir uma vaga. E não são pessoas exigentes, do tipo que impõem um valor mínimo de salário ou não admitem ter que trabalhar aos finais de semana. No desespero, topam o que aparecer. Só que não aparece.
No final do ano, enquanto fazíamos uma “retrospectiva mental” do que aconteceu e do que havia ficado para 2018 para organizar algumas pautas, eu e a Carina Furlanetto cogitamos que seria bacana tentar explicar porque há tantas vagas e, ao mesmo tempo, tanta reclamação de gente que não consegue emprego. Vasculhamos alguns comentários nas redes sociais, inclusive no portal SERRANOSSA, onde são publicadas semanalmente as vagas oferecidas pela FGTAS/Sine e por três agências de emprego parceiras nossas. A maioria dos candidatos reclama que não é chamado, que já preencheu ficha, que tem qualificação e vontade, mas que isso não basta. E a mesma maioria segue sem conseguir uma vaga. Como explicar isso?
Talvez a resposta não seja tão simples, mas o fato é que, clichê ou não, a falta de escolaridade e qualificação pesa bastante, mesmo em casos nos quais a pessoa não precisa necessariamente dos ensinamentos da escola para exercer uma função. Aliás, uma dica para quem está procurando emprego: erros grosseiros de escrita costumam afastar os empregadores de primeira – “Faço fachina” “Tenho esperiencia”, “Quero trabaliar na safra”, “Asseito emprego em casa de familha”, “Estou atraz de imprego”. “Agradesso muito uma indicassão” são alguns exemplos de postagens recentes que eu vi. Mesmo que você não tenha tido acesso ao básico da educação – e há muita gente que não teve oportunidade no passado –, procure pesquisar como são escritas as palavras, use o corretor que as próprias redes sociais oferecem ou peça ajuda. Há comentários sofríveis, em que não é possível nem entender o que o candidato quis dizer. Claro que o fato de alguém não saber escrever corretamente não impede que a pessoa seja uma excelente profissional, mas certamente dificulta o caminho para a contratação. 
Na reportagem (clique aqui para conferir na íntegra) você verá que os empregadores são unânimes: as pessoas precisam procurar cursos, áreas de interesse, diferenciais. Mas se fazer isso estando empregado já é complicado, em termos financeiros, imagine sem emprego! É a mesma velha polêmica que envolve a exigência de experiência. Ora, se ninguém der um primeiro emprego, como a pessoa vai ser experiente naquela determinada função?
Quanto à menina do supermercado, ela aparentemente se acalmou e pesou na balança que mais vale estar empregada e ter dias ruins do que viver um dia ruim a cada dia por não ter como se sustentar. Ah, e o cabelo voltou para o tradicional coque, como manda a regra da empresa.


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Greice Scotton Locatelli

Greice Scotton Locatelli

 



Editora-chefe do Grupo SERRANOSSA desde 2010, é formada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Unisinos, e tem na Língua Portuguesa e na Fotografia duas de suas maiores paixões.



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.



Leia a Edição
IMPRESSA


Edição 681
10/11/2018 08:00:42
Edições Anteriores

Curta o SERRANOSSA