• Tacchini
  • Debianchi
  • Naturepet Pharma
  • Posto Ravanello
  • Envase
  • Vinícola Garibaldi

Espécie de tamanduá considerada extinta no RS é registrada em parque

  • Vinícola Garibaldi
  • Naturepet Pharma
  • Envase
  • Tacchini

Imagens foram feitas no Parque Estadual do Espinilho, na Barra do Quaraí

Foto: Divulgação

Já era tarde da noite quando uma armadilha fotográfica flagrou um animal grande, de orelhas pequenas e focinho alongado, desfilando por entre as árvores do Parque Estadual do Espinilho, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Não era um mamífero qualquer, mas um exemplar raro. Quem passava tranquilamente em frente à câmera discreta posicionada na mata era um tamanduá-bandeira, espécie considerada extinta no Estado há 130 anos.  

A divulgação do registro inusitado ocorre na semana em que o bioma Pampa é celebrado, reforçando a importância da biodiversidade desse espaço e da manutenção de Unidades de Conservação (UCs) para a proteção de ecossistemas significativos da paisagem rio-grandense. 

Feito pela primeira vez em junho deste ano, o flagrante surpreendeu um grupo de ambientalistas que fazia uma expedição em busca de animais silvestres na UC da Barra do Quaraí. Foram eles que instalaram os equipamentos fotográficos acionados a distância para registrar os habitantes do parque em estado selvagem com a menor interferência humana possível. Não esperavam, porém, fazer tal descoberta. 

 “A gente acredita que esse bicho seja uma expansão do trabalho de reintrodução feito na Argentina, lá em Esteros del Iberá, do trabalho da FundaçãoRewilding. Esses animais estão adentrando o Rio Grande do Sul. No Uruguai, o Tamanduá também já tinha sido extinto no mesmo período em que isso aconteceu aqui no Pampa brasileiro”, explicou o biólogo Fábio Mazim, que atua no Parque do Espinilho e faz parte do grupo responsável pelo registro. 

Após a primeira aparição, outras imagens da espécie, da qual não se tinha registro há mais de um século no Estado, foram obtidas no mesmo parque. As captações foram feitas em turnos distintos, nos meses de julho, agosto e setembro. Conforme o biólogo da Unidade de Conservação, não foi possível concluir se todos os registros correspondem ao mesmo animal ou se haveria uma dupla. A única certeza é de que há ao menos um novo inquilino no parque. 

Além de ressaltar a riqueza da biodiversidade na região, a descoberta demonstra a importância do Parque do Espinilho no que tange à pesquisa e à conservação de espécies raras e ameaçadas. A descoberta do tamanduá-bandeira no Rio Grande do Sul será relatada em um trabalho científico, desenvolvido em colaboração com pesquisadores da Argentina e do Uruguai.  

Mais sobre a espécie 

O tamanduá-bandeira, como é popularmente conhecido, é um mamífero nativo da América do Sul. Recebeu esse nome por ter o formato da cauda semelhante ao de uma bandeira. 

Esses animais têm uma função ecológica de extrema importância, que consiste na adubação da terra, uma vez que se alimentam de insetos e acabam espalhando resíduos e nutrientes pelo solo. 

Quando atingem a idade adulta, são animais solitários. Não são ágeis nem agressivos, a menos que se sintam ameaçados. Apesar do tamanho e do peso, conseguem se proteger de predadores sobre as árvores, graças ao auxílio de suas garras.