• Vinícola Garibaldi

“Juntos no Interior”: projeto promove troca entre comunidades do interior e prefeitura de Santa Tereza

  • Vinícola Garibaldi

Segundo a prefeita Gisele Caumo, objetivo é a troca de informações entre Poder Público e moradores, identificando, assim, demandas e melhorias necessárias

Fotos: Prefeitura Santa Tereza

Aqueles que moram afastados dos grandes centros urbanos das cidades, que optam pela vida no campo e que, geralmente, lidam com a agricultura e pecuária familiar, também são cidadãos, têm suas demandas e precisam de atenção do Poder Público. Unir os ambientes do interior e da administração pública é o objetivo do projeto “Juntos no Interior”, realizado desde 2021 pela prefeitura e secretarias municipais de Santa Tereza.

Criado pela prefeita Gisele Caumo (PTB), o projeto estava na proposta de campanha eleitoral e já era realizado ainda enquanto Gisele era parlamentar de Santa Tereza. “Enquanto vereadora, pelo menos uma vez por ano, realizei visitas por nosso interior, diagnosticando, assim, a relevância de estar junto dos nossos munícipes para conversar, debater, ouvir críticas, sugestões e também elogios.” A experiência saiu do âmbito Legislativo para âmbito Executivo, assim, concretizando o ouvir e fazer, pontuando o que a administração pode e o que não pode fazer, o que será realizado e o que ainda não seria uma realidade. “Tenho a convicção de que estar junto das pessoas, ouvir seus anseios, bem como argumentar as situações é a forma mais propícia de governar com resultados que representem avanços para o município”, diz Gisele.

Mesmo pequenas, as comunidades de Santa Tereza – que tem cerca de 2 mil habitantes – contêm peculiaridades e necessidades próprias. Segundo a prefeita, agricultura e saúde são os principais temas que saíram dos encontros, mas, segundo ela, a cidade tem conseguido preencher essas demandas, como, por exemplo, a diminuição da fila de cirurgias, principalmente aquelas que necessitam de próteses, e do retorno das horas máquinas, o que não era feito na cidade há pelo menos 10 anos. “Modéstia à parte, foram reduzidas as demandas realizadas pelas comunidades, porém, nosso plano governo é nosso condutor e, concomitantemente a ele, continuaremos ouvindo nossa população para assim continuarmos realizando um trabalho de resultados que beneficie a todos”, destaca.

Além de ouvir os moradores, a prefeitura e seus secretários também apresentaram o que o Executivo tem feito pela cidade. “Obras, serviços adquiridos, bens, enfim, tudo o que foi planejado e concretizado foi demonstrado de forma transparente para as comunidades. Além disso, também abrangemos situações que estavam previstas e não foram conclusas, exibindo as ações previstas para o ano de 2023.” Para ela, além da agricultura ser o principal setor que dá retorno financeiro o município, é no interior da cidade que estão presentes as principais ações turísticas, ou seja, os turistas da cidade estão em amplo contato com essa parte da população.

“Os moradores que residem nestes locais de paisagens exuberantes e únicas são pessoas acolhedoras e ordeiras, que carregam em suas mãos todo trabalho que beneficia não somente suas famílias, mas sim o município como um todo”, disse.

Após os 13 encontros da segunda temporada do projeto já é possível conferir avaliações positivas. “Os encontros foram o melhor meio para aproximar a administração das comunidades, percebendo realmente as demandas necessárias. Sentimos que a população envolvida necessitava desse acolhimento e do aprofundamento da transparência nos serviços, o que só é possível por meio de tais atos. Logo, os encontros foram excepcionalmente importantes. Por meio deles conseguimos avaliar o que deve ser mantido e o que deve ser melhorado, bem como também as priorizações condizentes a cada área. Muitas das demandas já estavam no planejamento do nosso plano de governo e algumas delas, menos onerosas, serão executadas logo no ano posterior”, afirma Gisele.

O que também facilitou a troca de informações foi a recepção das pessoas do interior de Santa Tereza. “Não me restam dúvidas de que o momento foi de reciprocidade no que condiz a troca de informações. A oportunidade nos permitiu expor os trabalhos executados, o planejamento para as próximas ações, e também, por parte das comunidades, o encontro possibilitou a exposição de ideias, sugestões, críticas e melhorias nos contextos coletivo e individual.” Segundo a prefeita Gisele, o projeto deve retornar no próximo ano, porém, a comunicação com o interior e suas comunidades será contínua.