• Vinícola Garibaldi
  • Posto Ravanello
  • Envase
  • Tacchini
  • Debianchi
  • Naturepet Pharma

Menino morre após fraturar tornozelo no futebol e família acusa hospitais de negligência

  • Vinícola Garibaldi
  • Envase
  • Tacchini
  • Naturepet Pharma

Arthur Barros da Silva se machucou durante uma aula de educação física; a causa da morte, de acordo com o atestado de óbito, cita insuficiência respiratória aguda e tromboembolismo pulmonar

Foto: Arquivo pessoal

Um menino, de 12 anos, morreu em decorrência de uma fratura no tornozelo sofrida em uma partida de futebol em Guarujá, no litoral de São Paulo. A família de Arthur Barros da Silva acusa os hospitais onde o jovem foi atendido de negligência médica. A causa da morte, de acordo com o atestado de óbito foi: insuficiência respiratória aguda, tromboembolismo pulmonar e fratura da perna direita.

“Sentimento de dor e revolta”, desabafou a tia do jovem, Fabiana Barros Santana, de 37 anos, ao site g1 nesta segunda-feira, 11/12. A Prefeitura de Guarujá informou que foi aberto um processo administrativo para apurar o caso.

Fabiana informou que o sobrinho machucou a perna durante uma aula de educação física e, como o menino continuou com dor após dois dias, foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Rodoviária. Lá, segundo Fabiana, ele não teria recebido o diagnóstico correto.

“A UPA liberou o meu sobrinho avisando que não tinha fratura, que era uma simples luxação”, afirmou a tia. Ela disse que Arthur foi liberado para voltar para casa com uma receita médica indicando medicamentos para aliviar a dor.

Porém, o menino continuou sentindo dores e com o tornozelo inchado e foi levado novamente à UPA. Na unidade, a tia contou ao site g1 ter pedido para que ele fosse transferido ao Hospital Santo Amaro (HSA) para ser avaliado por um médico ortopedista.

O pedido foi atendido e no HSA o paciente foi submetido a um exame de Raio X que constatou uma fratura da tíbia distal [osso próximo ao tornozelo] da perna direita. A equipe médica imobilizou o membro de Arthur, que foi medicado e liberado.

Dores e avaliação com um médico vascular

Segundo Fabiana, dois dias depois Arthur continuou com dores fortes e foi encaminhado para a UPA da Enseada, que o transferiu novamente para o HSA. No hospital foi internado para avaliação com um médico vascular.

“No decorrer da madrugada, ele já vinha passando mal e eu pedi que a médica subisse pra avaliá-lo, mas ela falou que não iria porque ele já estava mais do que medicado. A médica não subiu e, na manhã do dia seguinte [27 de novembro], meu sobrinho veio a óbito”, lamentou a tia.

Justiça

Fabiana registrou um boletim de ocorrência por morte suspeita na Delegacia Sede de Guarujá e buscou auxílio jurídico com o advogado Airton Sinto, pois, segundo ela, houve negligência médica.

Ela citou principalmente o atendimento na UPA da Rodoviária, que não identificou a fratura, e a médica do HSA se recusou a atendê-lo quando estava com dor.

Ao site g1, o advogado explicou que avalia o caso para entrar com uma ação na Justiça. “O caso traz traços claros de negligência médica, negligência de atendimento, de atenção ao ocorrido”, afirmou sobre o diagnóstico errado na UPA e a falta de atenção da médica no HSA.

“Estamos averiguando a situação […]. O padrão que deveria ter sido adotado e não foi, e qual o nexo causal entre essa negligência e o evento óbito dessa criança”, explicou Sinto.

De acordo com ele, no primeiro momento a defesa irá avaliar a documentação e acionar os órgãos competentes para que sejam dados esclarecimentos para a família. Em seguida, o advogado irá adotar as medidas cabíveis, inclusive no âmbito de responsabilização criminal.

Respostas

Em nota, a Prefeitura de Guarujá informou que lamenta profundamente a morte do jovem e “presta condolências aos familiares”. Ainda segundo a administração municipal, o paciente foi prontamente atendido e medicado nas unidades de saúde.

“Devido à fratura, foi encaminhado, por duas vezes, ao Hospital Santo Amaro. Contudo, foi aberto um processo administrativo para apuração”, afirmou.

O Hospital Santo Amaro disse que existe uma queixa formalizada na Ouvidoria da unidade com relação à médica citada. “Importante salientar que não há reclamação em relação ao serviço prestado pelo Hospital Santo Amaro”, informou.

“Em relação ao evento, o trâmite inicia com o caso seguindo para análise da Comissão de Óbito, com a queixa registrada no setor de ouvidoria anexada. Aguarda-se o resultado e, de acordo com o apontamento desta comissão, o caso segue à Comissão de Ética, para devidas providências. Tratam-se de comissões apropriadas para investigar o evento”, finaliza o texto.

Fonte: g1