Economia
06/05/2020 13:52:39, escrita por Eduarda Bucco

Bento Gonçalves registrou 1.947 demissões em abril

Em março, quando a pandemia do novo Coronavírus chegou a Bento Gonçalves, prejuízos econômicos começaram a ser previstos na maioria dos setores da sociedade. Mais de dois meses após a adoção das primeiras medidas de restrição no município, os resultados referentes ao emprego no mês de abril demonstram os impactos gerados: foram 1.947 desligamentos no período e apenas 524 admissões, um saldo negativo de 1.423 vagas. De acordo com dados analisados pelo Observatório do Trabalho da Universidade de Caxias do Sul (UCS), devido ao alto número de desligamentos, o mês de abril em Bento contou com apenas 39,2 mil empregos formais – o menor número de empregados desde 2010. 

Em todo o Rio Grande do Sul, o saldo negativo de empregos chegou a marca de 74.686 em abril, incentivado, principalmente, pelas demissões na Indústria de transformação (-25.302 empregos). Em Bento Gonçalves, o fechamento em massa pode ser percebido na indústria de móveis, um dos setores que mais fatura e emprega no município. “As indústrias evitaram ao máximo demitir, optando por diversas alternativas que possibilitaram frear o desemprego nos primeiros meses da crise. Mas, no mês de abril, pudemos acompanhar que, lamentavelmente, houve muitos fechamentos de postos”, comenta o presidente do Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves, (Sindmóveis), Vinicius Benini. 


 

De acordo com dados do Sindicato, a queda no faturamento referente aos meses de março e abril foi de quase 30%. O mesmo resultado foi percebido no polo moveleiro do Rio Grande do Sul, se comparado o mesmo período do ano passado. Apesar do número de demissões, envolvendo todos os setores, ter tido um salto em abril, Benini afirma que o pior índice de desemprego para a produção moveleira foi no mês de março. “São notórias algumas demissões e também suspensão de contratos de acordo com a MP 927/20. Além de toda dificuldade de mercado, podemos elencar que o setor moveleiro vem enfrentando dificuldades no acesso ao crédito, empréstimos e financiamentos com taxas de juros e prazos diferenciados; renegociação de impostos e inadimplência”, analisa. 

Para tentar barrar a onda de desempregos e a redução brusca no faturamento das empresas, ainda no mês de abril o Sindimóveis publicou um Aditivo de Convenção Coletiva de Trabalho. O objetivo foi flexibilizar as relações trabalhistas. “Os termos foram acordados como forma de amenizar os efeitos da pandemia da COVID-19 na economia e nos empregos da indústria moveleira regional, valendo para cerca de 300 empresas de Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira e Santa Tereza. Entre as diretrizes, foram alinhados ajustes sobre banco de horas extraordinário, concessão de férias e acordos individuais, entre outros”, relembra Benini.  

O sindicato ainda cita o oferecimento de assistência jurídica às empresas como forma encontrada para minimizar as perdas, além das tratativas constantes para a realização da Movelsul Brasil – feira responsável por impulsionar o turismo de negócios em Bento Gonçalves. A nova data do evento foi divulgada no final da tarde de quinta-feira, 04/06: será entre os dias 14 e 17 de setembro.

“Dependendo da duração da crise, das ações de restrições de circulação de pessoas, do fechamento do comércio e da indústria e os efeitos das medidas econômicas, o impacto pode variar. De qualquer modo, os efeitos serão sentidos pelo menos até o final do ano”, afirma. 

Saldo de empregos em Bento Gonçalves:

Acumulado do ano em Bento: - 477
Admissões: 6.144
Demissões: 6.621

2020 mês a mês:

Janeiro: + 655 vagas
Fevereiro: + 473 vagas
Março: - 182 vagas
Abril: -1.423 vagas

Setor que mais abriu vagas no período: construção civil
Setor que mais fechou vagas no período: serviços

Foto: Jeferson Soldi




Curta o SERRANOSSA