Geral
14/02/2020 10:49:13, escrita por Raquel Konrad

Um jovem premiado criador!

Nascido e criado em Bento Gonçalves, Vinicius Siega, de 29 anos, celebrou nesta semana mais um prêmio em sua carreira como designer: ele conquistou a menção honrosa na modalidade profissional com sua “Cadeira Salvador”, no Salão Design 2020, um dos concursos mais respeitados do país no setor. Mas esta não é a primeira conquista e muito menos a única obra deste profissional que se interessou por design com apenas 10 anos de idade. Siega já venceu duas vezes o Prêmio de Design Bornancini – outras três vezes recebeu menção honrosa –, foi finalista outras duas vezes do Salão Design, finalista sete vezes do Museu da Casa Brasileira e ainda teve peças apresentadas na semana de design de Milão, na Itália, em 2018 e 2019.



O jovem, que tem formação em Design de Produto, pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), atua na criação de produto, gráfico e branding (construção de marca), mas sua predileção é por criar. “Acabo sendo mais conhecido pelo mobiliário autoral, mas já desenhei outros tipos de produtos, como torneiras, acessórios, etc. Gosto muito de equilibrar os aspectos emocionais dos materiais, sem estar vinculado diretamente a uma matéria-prima específica. Busco sempre aplicar os materiais nos desenhos com base nas sensações que as pessoas têm aos senti-los e vê-los. Por isso, a maioria das peças tem um bom mix de texturas, já que um material se apresenta melhor quando é explorado com outro contrastante, como o metal (frio) e a madeira (quente)”, detalha.

 



Siega considera que tem uma visão bem comedida do uso dos materiais e evita explorar e criar detalhes que sejam desnecessários ao produto. É o caso da premiada cadeira Salvador. “Ali a estrutura é mínima e clara na sua sutileza, contrastada pelo assento, que é mais estruturado, e pelo apoio das costas, que expõe mais da madeira trabalhada pela marcenaria”, comenta. 



Mais do que ficar muito orgulhoso pelas peças que despontam nas premiações, para o designer o mais gratificante é quando elas são comerciais e quando impactam positivamente os usuários. “É incrível ver os desenhos e projetos se materializarem em produtos, ver que as criações não só beneficiam a mim, mas também ao cliente e ao fabricante e fico também muito feliz quando somos reconhecidos pela mídia e por profissionais que admirei por muito tempo”, conta ele, que hoje tem seu próprio estúdio.
 

Inspiração 
Referências não relacionadas ao design (arte, escultura, música, arquitetura, etc) ou comportamento contemporâneo (busca pela espiritualidade, conexão com a natureza, entre outras) são algumas das inspirações das obras do jovem designer de Bento. Para ele, ter uma linha de pensamento definida serve para ter um norte que organiza os materiais, uso de volumes e o conceito de cada peça. “Depois disso, eu desenho muito à mão até levar para o refinamento no computador, resultando em normalmente mais de 100 produtos por brainstorming. Depois avalio, vejo qual se adapta ao briefing e às tecnologias de fabricação, seleciono e apresento ao fabricante. Normalmente uma seleção de 10 peças. Uma vez que estão aprovados, damos início ao desenvolvimento físico da peça”, explica.
Metódico nas criações e composições de seus produtos, Vinicius também é cauteloso ao falar dos planos e projetos para o futuro: “sou bem reservado”. Mas se tratando da bonita carreira que vem construindo, a gente não espera menos do que muito sucesso. 




Curta o SERRANOSSA