Saúde
27/08/2019 16:04:41, escrita por SERRANOSSA

Quando o comprometimento das equipes faz o diferencial no momento do parto

O projeto Parto Adequado, do qual o Hospital Tacchini é o único a participar na região da Serra Gaúcha, tem em uma de suas premissas desenvolver ações que visem aumentar os percentuais de partos normais nas instituições participantes. Para que essa meta seja atingida, o Hospital colocou em prática diferentes atividades, sempre respeitando o desejo da gestante e atentando para a saúde dela e do bebê.

“Seguidamente, quando falamos do Parto Adequado, citamos o termo ‘empoderamento’, deixando claro que a gestante está sempre em primeiro lugar para decidir como será esse momento especial de sua vida”, explica a obstetra Liane Xavier Domingues, gestora do Centro Obstétrico do Hospital Tacchini. Ela ressalta, porém, que diante de alguma situação de risco, tanto a equipe médica quanto a enfermagem tem a obrigação de intervir no sentido de salvar vidas. 


No Tacchini, as ações já acontecem há dois anos e neste período a quantidade de partos normais saltou de 56% para 71% junto às gestantes e bebês que apresentem plenas condições. “Há uma escala que nos mostra como está a saúde da gestante e do seu bebê. Assim, conseguimos acompanhar o período certo da gestação, o desenvolvimento do bebê e o histórico clínico da gestante, bem como sua idade”, esclarece.


Paralelo a isso, há um trabalho intenso envolvendo as equipes assistenciais, sem descuidar da estrutura necessária que é oferecida a todas as gestantes, usuárias tanto de convênios quanto via Sistema Único de Saúde (SUS). A médica obstetra Danielle Fenner lembra que durante o pré-natal todas as gestantes recebem informações necessárias, de modo a se sentirem seguras e confiantes. “Procuramos criar um vínculo forte entre as equipes e as gestantes. Falamos muito sobre as condições favoráveis a um parto normal, sempre respeitando o tempo do bebê. Também esclarecemos que, mesmo diante do quadro favorável a um parto normal, a gestante pode, sim, optar por fazer cesariana. Neste caso, no entanto, vale ressaltar que trata-se de uma cirurgia e, como tal, existem riscos cirúrgicos e anestésicos”, alerta a Dra. Danielle. 


Ela lembra que, além das consultas de pré-natal, as gestantes podem participar de cursos gratuitos oferecidos pelo hospital e conhecer a estrutura do Centro Obstétrico. “São ações em que as futuras mamães podem conhecer parte da equipe que vai atendê-las, criando assim maior vínculo e tranquilidade. Nos cursos, por exemplo, são abordados temas como analgesia ao parto e nas visitas é mostrada a estrutura do Centro Obstétrico, devidamente adequado ao que preconiza o projeto Parto Adequado”, diz a obstetra.

 

No Tacchini, as ações já acontecem há dois anos e incluem visitas ao novo Centro Obstétrico. “As futuras mamães podem conhecer parte da equipe que vai atendê-las, o que garante um maior vínculo” | Foto: Divulgação/Tacchini


Todas essas ações servem para justificar o excelente percentual de satisfação das gestantes, que hoje chega a 97%. “Isso é resultado de um trabalho em que as equipes profissionais estão devidamente comprometidas e desenvolvem suas atividades com carinho e atenção ao próximo”, conclui a obstetra Liane Xavier Domingues. 



Médica obstetra Danielle Fenner | Foto: Divulgação/Tacchini



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA