Segurança
18/01/2019 22:36:57, escrita por Greice Scotton Locatelli

Entrega da obra do novo presídio é adiada

O pedido de aditamento contratual de 60 dias, feito pela Verdi Sistemas Construtivos, empresa responsável pela construção do Novo Presídio de Bento Gonçalves para a Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe), deixou muita gente aflita depois de tanto tempo de espera – a previsão de entrega no final de janeiro foi adiada para o início de abril. Mas, para o secretário municipal de Segurança, José Paulo Marinho, essa não é uma preocupação. 

 


Quase 90% das obras estão concluídas. Principal motivo do atraso é a instabilidade do clima, segundo o secretário de Segurança (Foto: Greice Scotton Locatelli)

 

“Este é um aditamento contratual considerado normal, até porque choveu muito durante todo o período da obra. Pelo contrato, a estrutura deveria ser entregue até 2 de fevereiro, agora o prazo é 2 de abril. Mas conversando com o engenheiro responsável, ele me informou que a obra pode estar concluída antes do prazo estipulado, ou seja, há uma margem de segurança. Não há nenhum problema com documentação, o adiamento foi necessário em função do clima. O que estamos tentando, agora, é agilizar os trâmites após a entrega, incluindo mobiliário, ligações de água, luz, telefone, informática, internet e, principalmente, efetivo”, comenta.

 


No último dia 14, Marinho e o prefeito Guilherme Pasin estiveram reunidos em Porto Alegre com o vice-Governador e secretário de Segurança, Ranolfo Vieira Junior, e a conclusão do novo Presídio foi um dos temas abordados no encontro. (Foto: reprodução/Facebook)

 

Marinho diz ter esperança de que até o final do ano tudo esteja pronto e todos os detentos tenham sido transferidos, mas admite que é mais fácil construir do que equipar. “O prédio vai ser entregue com toda a estrutura e as esperas prontas (para água e luz, por exemplo), mas obviamente sem mobília e equipamentos. Então a partir do fim da obra começam outras demandas que estarão a cargo do governo do Estado. Cada uma delas requer serviços de companhias diferentes (RGE, Corsan, empresa de telefonia, sistema de informática etc). Já estamos alinhados ao governo do Estado para providenciar isso com a maior brevidade possível, tanto que no último dia 14 eu e o prefeito Guilherme Pasin estivemos reunidos em Porto Alegre com o vice-Governador e secretário de Segurança, Ranolfo Vieira Junior, e a conclusão do novo Presídio foi um dos temas abordados no encontro”, explica.  

 


*Números relativos a novembro/2018

 


 

A questão do efetivo é uma das mais importantes nesse contexto. Isso porque o novo presídio é muito maior em área do que a atual estrutura, no centro da cidade – para se ter uma ideia, o térreo do presídio do centro, onde estão situadas as celas, tem pouco mais de 800m² de área, enquanto o novo está sendo erguido em um terreno de 5.600m². Isso, consequentemente, demandará muito mais pessoal. “Sem contar que a transferência de presos é feita gradualmente, então durante esse processo será necessário ter agentes nas duas penitenciárias simultaneamente”, informa. O reforço no efetivo virá de uma turma de novos servidores que atualmente participam do curso de formação em Porto Alegre.

 


Secretário José Paulo Marinho (Foto: Carina Furlanetto/Arquivo SERRANOSSA)

 

Marinho diz que a prefeitura está fazendo todo possível para a estrutura esteja operacional no menor tempo possível. “Seria ilógico ter uma estrutura pronta, moderna e com toda a segurança, e continuar utilizando um prédio defasado, superlotado e em pleno centro da cidade”, comenta o secretário.



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA