Segurança
07/11/2019 16:52:51, escrita por SERRANOSSA

Acusada de matar irmã é condenada a 19 anos de prisão

O julgamento de Ana Paula Marim Bitencourt, acusada de matar a irmã, Aparecida de Fátima Marim Bitencourt, em 2017, aconteceu na última quinta-feira, dia 11, no Fórum de Bento Gonçalves. Ela foi julgada por homicídio qualificado e condenada a 19 anos de reclusão. A sentença foi baseada no artigo 121, § 2º, inc. III, do Código Penal (homicídio qualificado por uso de meio cruel e asfixia), combinado com o artigo 61, inc. II, alíneas E (contra irmão) e F (prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade) e atenuado pelo artigo 65, inc. III, alínea D (confessado espontaneamente, perante a autoridade, a autoria do crime).

O Júri foi composto por três homens e quatro mulheres. O Promotor de Justiça Eduardo Só dos Santos Lumertz atuou pelo Ministério Público, enquanto a defesa foi conduzida por Rafael Carrard, da Defensoria Pública. A juíza da Vara de Execução Criminal de Bento Gonçalves, Fernanda Ghiringhelli de Azevedo, proferiu a sentença depois de cerca de seis horas de julgamento. 

RELEMBRE O CASO
O crime aconteceu na madrugada do dia 2 de agosto de 2017, no apartamento da vítima, no bairro São Francisco, em Bento Gonçalves. O corpo foi encontrado somente seis dias depois. Além de um ferimento na cabeça e vários hematomas pelo corpo, a vítima tinha um corte profundo no pescoço e marcas de 11 facadas no peito. Enquanto aguardava julgamento, a acusada permaneceu presa no Presídio Estadual Feminino de Lajeado.



O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários deixados pelos leitores e adverte que o conteúdo pode ser reproduzido em reportagens. O teor das mensagens está sujeito a moderação.



Curta o SERRANOSSA