Segurança
15/09/2021 15:19:02, escrita por SERRANOSSA

Polícia Civil conclui inquérito sobre morte de jovem indígena ocorrida no noroeste do Estado

Na manhã desta quarta-feira, 15/09, a Polícia Civil, por meio da 22ª Delegacia de Polícia Regional de Três Passos, realizou coletiva de imprensa sobre o desfecho das investigações da morte da adolescente indígena Daiane Sales, de 14 anos, encontrada morta no dia 04/08/2021, na localidade de Posse Ferraz, interior do município de Redentora (RS), na região Noroeste do Estado. A coletiva ocorreu na sede da 22ª DPRI, em Três Passos, com a presença da Diretora da Regional, Delegada Cristiane de Moura e Silva Braucks, do Delegado Vilmar Alaídes Schaefer, responsável pela investigação, e do representante do Ministério Público, Promotor de Justiça Miguel Germano Podanosche.

As investigações apontam para um autor, homem não indígena, que está preso preventivamente, e que foi indiciado pelos crimes de estupro de vulnerável e homicídio qualificado – feminicídio. A vítima foi vista pela última vez na noite do sábado, dia 31/07/2021, em uma festa ao ar livre, que ocorreu em rua na Vila São João, em Redentora, local adjacente à comunidade indígena do Setor Missão (localidade pertencente à Reserva Indígena do Guarita). No dia 04/08/2021, em uma lavoura, próxima de um mato, distante cerca de 10km de onde ocorreu a festa, o corpo da jovem foi encontrado por um agricultor, com a parte inferior dilacerada e que, segundo o laudo de necropsia, o dilaceramento teria sido causado "provavelmente por animais e/ou aves de rapina".


 

Ao tomar conhecimento do fato, a Polícia Civil iniciou força-tarefa e após 40 dias de trabalho investigativo o inquérito foi concluído. Ao longo das investigações houve o decreto de prisão temporária de dois suspeitos, mas, por fim, a autoria do crime acabou recaindo somente sobre um deles, morador das imediações dos fatos, que, na tarde desta terça-feira, 14/09, teve a sua prisão preventiva decretada pela Justiça. 

De acordo com a polícia, os indícios apontam que o investigado cometeu a prática de estupro de vulnerável seguido de homicídio qualificado - feminicídio, crimes hediondos.

Do carreado nos autos, restou comprovado que o investigado agiu sozinho, utilizando-se de um veículo, ofertando carona para a vítima ao final da festa, entre 2h/3h da madrugada. Além de prova testemunhal, foram determinantes para a elucidação da autoria o confronto das versões do suspeito, permeadas de contradições, corroborando, também, o resultado de exames periciais realizados pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) - encontrados vestígios genéticos do autor junto ao cadáver da vítima. O resultado final quanto à causa da morte está no aguardo de exames periciais complementares, que estão em curso.




Curta o SERRANOSSA