• Vinícola Garibaldi
  • Naturepet Pharma
  • Ótica Debianchi Lente em Dobro
  • Envase

Polícia prende suspeito de montar artefato explosivo perto do Aeroporto de Brasília e apreende arsenal

  • Envase
  • Debianchi
  • Naturepet Pharma
  • Vinícola Garibaldi
  • Posto Ravanello

Na noite de sábado, 24/12, a Polícia Civil do Distrito Federal prendeu um homem suspeito de montar um artefato explosivo nos arredores do aeroporto de Brasília, em um caminhão de combustível. Mais cedo, o objeto foi detonado pela Polícia Militar. Com ele também foi apreendido um arsenal.

Segundo informado pela Polícia Civil, o homem é um empresário, de 54 anos. O delegado-geral da corporação, Robson Candido, informou em entrevista coletiva que ele veio do Pará a Brasília para participar das manifestações em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que ocorrem no quartel-general do Exército.

O delegado não informou o nome do suspeito. “Ele é morador do Pará. E veio justamente para participar das manifestações lá no QG [do Exército], né, que assim eles intitulam. Ele faz parte desse movimento de apoio ao atual presidente. E eles estão aí nessa missão ideológica, mas que saiu do controle e as autoridades policiais, principalmente aqui em Brasília, nós iremos tomar todas as providências”, afirmou.

Com o suspeito, preso em um apartamento no Sudoeste, na região central do Distrito Federal, foi apreendido um arsenal com pelo menos duas espingardas, um fuzil, dois revólveres, três pistolas, centenas de munições e uniformes camuflados. No local, foram encontradas outras cinco emulsões explosivas. Ele confessou que tinha intenção de explodir o artefato no aeroporto.

Polícia apreendeu arsenal com armas e munições com o suspeito de deixar um artefato explosivo perto do aeroporto de Brasília — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Polícia apreendeu arsenal com armas e munições com o suspeito de deixar um artefato explosivo perto do aeroporto de Brasília. Foto: Divulgação/Polícia Civil

De acordo com a polícia, depois de montar o artefato, o suspeito entregou o objeto para uma outra pessoa – já identificada pelos investigadores – que ficou responsável por levar o dispositivo até a região do Aeroporto JK.

Segundo a investigação, a ideia inicial era que o explosivo fosse depositado próximo a um poste, para prejudicar a distribuição de energia elétrica na capital. Mas, de última hora, a decisão acabou sendo por colocar o objeto em uma caixa apoiada no caminhão de combustível, que estava carregado de querosene de aviação.

De acordo com a polícia, o homem tinha registro como Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), mas o documento estava em situação irregular e, por isso, ele foi autuado por posse e porte ilegal de armas, munições e explosivos, além de ter sido processado por crime contra o estado democrático de direito. Outras pessoas também estão envolvidas no crime e a polícia já trabalha para localizá-las.

Segundo a Polícia Militar, o motorista de um caminhão-tanque de combustível percebeu um objeto estranho no veículo e alertou policiais na área. Ele não soube dizer quem havia deixado o material ali. A polícia descarta a participação do motorista no caso.

“A priori, o motorista não tem nada a ver com a situação, nem o caminhão. O caminhão seria utilizado supostamente para levar o artefato explosivo para algum lugar”, disse o delegado da 10ª DP, Marcelo Fernandes.