• Vinícola Garibaldi

Zanella afirma que irá entrar com liminar por improbidade administrativa da presidência da Câmara

  • Vinícola Garibaldi
  • Posto Ravanello

“Exige-se tanta transparência do Executivo, mas não tem transparência aqui”, disse o vereador do Progressistas

Foto: Câmara Bento

O vereador de Bento Gonçalves Anderson Zanella (Progressistas) não faltou com críticas à presidência da Câmara de Vereadores do município na sessão ordinária de segunda-feira, 27/11. Da tribuna, o vereador acusou o presidente Rafael Pasqualotto (Progressistas) de supostas irregularidades e de “autoritarismo parlamentar”.

Segundo Zanella, os vereadores estão sendo impedidos de realizarem o trabalho de fiscalizadores do dinheiro público, principalmente do dinheiro da Casa Legislativa. Além disso, afirmou que não há transparência por parte da presidência, que pedidos de informação são ignorados e que o acesso a documentos está sendo dificultado.

“Exige-se tanta transparência do Executivo, mas não tem transparência aqui. Os requerimentos dos vereadores não são respeitados, não têm resposta. Um simples fato que mostra o autoritarismo da presidência desta Casa”, afirmou Zanella.

Uma das principais críticas do vereador é referente à liminar concedida pela Justiça à presidência, que obrigava o Executivo a repassar 6% do orçamento do município para 2024 ao Legislativo. No dia 23 de novembro, a liminar foi derrubada, mantendo o repasse de 3,2% como descrito na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A emenda 41 da LDO solicitava que o repasse fosse de 6% (teto estabelecido por lei), mas a emenda foi rejeitada pela maioria dos parlamentares.

Buscando “devolver na mesma moeda”, Zanella disse que entrará com uma liminar de pedido de improbidade administrativa contra a presidência. “Nós vamos, judicialmente, pedir a improbidade administrativa da presidência dessa Casa pelos atos autoritários, ditatoriais que vêm ocorrendo. Faremos isso em nome da Bancada Progressista por entendermos que o nosso trabalho vem sendo cerceado pela presidência”, afirmou.

No momento da fala de Zanella, Pasqualotto não estava na sessão, que era presidida pelo vice-presidente Thiago Fabris (Progressistas). Aliás, apenas nove dos 17 parlamentares estavam na sessão, além de Zanella e Fabris: Ari Pelicioli (Cidadania), Eduardo Pompermayer (Progressistas), Idasir dos Santos (MDB), Edson Biasi (Progressistas), Paco (PTB), Sidnei da Silva (PSDB) e Luiz Gromowski (Progressistas).

*Na edição impressa 941 do SERRANOSSA, faltou citar que o vereador Ari Pelicioli (Cidadania) também estava presente na sessão durante o pronunciamento de Anderson Zanella.