• Posto Ravanello
  • Debianchi
  • Naturepet Pharma
  • Envase
  • Vinícola Garibaldi
  • Tacchini

Proposta libera pais do trabalho para levar filhos à vacinação

  • Envase
  • Vinícola Garibaldi
  • Tacchini
  • Naturepet Pharma

Pelo projeto de lei, que está no Senado Federal, terão direito ao abono os pais servidores públicos ou empregados da iniciativa privada

Foto: Agência Brasil

A rotina corrida de pais e mães que trabalham pode ganhar um espaço na agenda para a vacinação dos filhos. Um projeto de lei do senador Weverton, do PDT do Maranhão, concede o abono de meio período para os trabalhadores que necessitam acompanhar seus filhos e dependentes menores para serem imunizados. 

Pelo projeto, terão direito ao abono os pais servidores públicos ou empregados da iniciativa privada. O senador Weverton menciona na justificativa da proposta a importância da vacinação na redução e eliminação do risco de doenças e de suas manifestações graves, que podem levar à internação e até mesmo à morte. 

Na avaliação do  parlamentar, a medida é essencial para promover a saúde e o bem-estar das crianças e contribui para a conscientização e efetividade dos programas de imunização. Weverton defende que a proposta colabora para maior adesão à vacinação no país, tanto dos pais quanto dos filhos; e fortalece, assim, a imunidade da população.

“É um projeto de incentivo à vida. O máximo que o Estado brasileiro e a nossa legislação puder facilitar para que as pessoas possam vacinar, teremos e temos que fazer. O pai, a mãe, muitas das vezes, deixa de vacinar o filho, o idoso ou alguma pessoa que dependa, ou o próprio trabalhador, por conta da sua carga horária. Já perde muito tempo para chegar no seu trabalho, com trânsito, já em condições difíceis de deslocar da sua residência para o seu local de trabalho, para voltar à noite e ainda sem tempo para poder vacinar”, diz o senador.

O texto será analisado primeiro pela Comissão de Assuntos Sociais e, depois, segue para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, em decisão terminativa. Se aprovada, poderá seguir para a Câmara dos Deputados.

*Com informações de Rádio Senado